Aventuras na Capital – parte I

Publicado em Atualizado em

Por Andreia Firmino

Boa tarde caros leitores!

Agora sem pressão (e com o coração um bocadinho menos aconchegado – o Diogo já foi embora) volto para vos falar do que foi este fantástico fim-de-semana. Não sei bem por onde começar, mas talvez o mais fácil seja começar pelo início.

Fui para Leiria na quinta-feira, uma vez que na sexta teria a minha defesa de estágio. O temível dia em que teria que apresentar tudo o que fiz no estágio em apenas 10min com direito a ser bombardeada com perguntas nos 20min seguintes. Assim que cheguei a Leiria fui pousar as malas na casa de uma amiga minha, fomos pôr os nossos relatórios a imprimir e logo de seguida (já na companhia do meu lindo namorado) fomos almoçar ao 32, numa tentativa (falhada) de aliviar o stress que nos consumia. Ao final da tarde e depois de uns beijos à chuva (não tão românticos como os que vemos nos filmes) voltei para a frente do meu pc para tentar preparar-me para a defesa. Um calmante tomado, uma noite bem dormida e aí fui eu para a escola para enfrentar as feras e defender o meu estágio, mostrar o quanto o adorei e aprendi. Felizmente, às 12h35 já estava despachadíssima e com boas críticas da parte de quem assistiu. No entanto, o melhor deste dia foi entrar no expresso, para vir para casa, na companhia do Diogo! Finalmente íamos ter tempo nosso, só nosso, sem nos preocuparmos com mais nada.

Na sexta já chegámos a casa de noite, por isso não houve tempo para fazer muita coisa. Ele conheceu os meus pais e o meu avô, jantámos e depois vimos Castle no seu amado Xperia Z2 (mereço mais um beijinho graças a esta referência). No sábado começou a verdadeira aventura!! Logo de manhã, assim que ganhámos coragem para sair da ronha do sofá, ele viu a vida dele a andar para trás ao entrar num carro conduzido por mim. Perguntou se não podíamos ir a pé, disse que não conseguia abrir a porta e, já depois de eu o conseguir enfiar no carro, pôs o cinto e agarrou-se ao banco. Tudo por uma viagem de 5min. Deu graças a Deus por estar vivo quando chegámos a casa, apesar de que devia era ter dado graças à deusa dele que foi uma boa condutora (desculpem a tentativa de piada).Depois disso foi todo um stress, porque eu não sabia o que vestir. Vesti e despi, vesti e despi umas cinco vezes à espera da resposta “fica assim, estás bem”, quando essa resposta chegou já eu estava cansada, mas pronto. Almoçámos e partimos rumo à verdadeira aventura…

15h – saímos de casa, eu a conduzir, o Diogo agarrado ao banco e um comboio para apanhar dali a 18min

15h10 – carro estacionado, o Diogo vivo, uns metros para andar, bilhetes para comprar e um comboio para apanhar dali a 8min

15h15 – comboio a chegar, bilhetes a serem comprados

15h18 – bilhetes acabados de validar, ouve-se no altifalante “vai partir, na linha nº2, o comboio com destino a Alcântara-Terra” e uma escadas para subir e outras para descer até chegar à linha nº2

Solução: correr, leram bem c-o-r-r-e-r

Claro que sou uma pessoa pouca dada a corridas, portanto a meio das primeiras escadas já ia a morrer, e optei por gritar as indicações ao Diogo para ele conseguir chegar ao comboio e abrir a porta, que ele assim não partia. Com isto tudo lá CONSEGUIMOS apanhar o comboio e aí fomos nós até ao Vasco da Gama/Parque das Nações.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s